A Vivência de Cultura Urbana é uma atividade inovadora impactante na vida de quem participa voltada para escolas/colégios particulares do ensino fundamental II e médio. A experiência vivencial de “Cultura Urbana” acontece por meio do intercâmbio cultural-social, Ensaio Aberto, oficinas de Grafite, Break Dance (Dança de rua), MC (Mestre de Cerimônia) e DJ (Disk jockey).

Para A Banca a Cultura Urbana é a junção de diferentes linguagens culturais com origem urbana e suburbana, vivida e aperfeiçoada conforme o tempo por “artistas anônimos” distintos e originais

Mostra 2

As oficinas tem o tempo de duração de até duas horas nas dependências das escolas com até 30 jovens por turma. Para  as saídas culturais sociais utilizamos o tempo de um período do dia, ou seja, manhã ou tarde para visitação de lugares diferentes da realidades dos jovens, com a capacidade de até 50 pessoas por saída com café da manhã, almoço, espaço físico e anfitriões e locais incluso.

Veja a seguir um pequeno vídeo do Sr. Wagner Cafagni Borja atual na época (2013) diretor do ensino médio do colégio Lourenço Castanho falando quanto é importante a Vivência de Cultura Urbana para escolas particulares homogêneas socialmente.

Atualmente (2016) Wagner é Vice-Diretor na Escola Nossa Senhora das Graças e continua apoiando A Banca com a Vivência de Cultura Urbana.

Está a fim de promover a quebra de barreiras sociais no espaço em que você atua?Entre em contato conosco e no informe sua necessidade e faça conosco um orçamento exclusivo que atenderá suas necessidades e ainda impactará positivamente a vida das pessoas que convivem com você. E-mail: contato@abanca.org

Aceleradora de Negócio com Impacto da Periferia – NIP

Nossa Motivação

+ de 90% do portfólio das aceleradoras, incubadoras e fundos que atuam com negócios de impacto social é formado por empresas em que o time de empreendedores é formado por homens, brancos, com ensino superior completo e que nasceram num contexto social privilegiado.

Uma nova geração de negócios de impacto social só será efetiva, se a população das periferias brasileiras for protagonista na geração de negócios que solucionem seus problemas sociais e não apenas cliente ou beneficiário.

Acreditamos que nas diversas periferias do nosso país, existem empreendedoras (es) com ideias e soluções de alto potencial de impacto social e ambiental, que, com suporte adequado, podem escalar e impactar positivamente milhares de pessoas.

TRÊS ORGANIZAÇÕES UNIDAS POR UM SONHO COMUM

“POTENCIALIZAR NEGÓCIOS DA PERIFERIA QUE SOLUCIONEM PROBLEMAS SOCIAIS E AMBIENTAIS DA PERIFERIA E DO BRASIL”

Sobre A Banca

A Banca nasce como um movimento juvenil no final da década de 90 quando o Jardim Ângela era o lugar mais violento do mundo. Em 2007, A Banca passa pelo processo de aceleração da Artemisia. Em 2008, estrutura-se juridicamente, tornando-se uma associação.

Desde o início de suas atividades, A Banca já realizou mais de 130 eventos gratuitos em espaços públicos da cidade de São Paulo, nos quais se apresentaram 120 grupos musicais, beneficiando diretamente 45mil pessoas. Atuou com mais de 25 escolas públicas e privadas, oferecendo intervenções educacionais através da cultura Hip Hop e da Educação Popular. Foi a pioneira em fazer conexões de impacto, em busca de romper as barreiras invisíveis culturais, sociais e econômicas com pessoas de diferentes realidades na cidade de São Paulo.

Sobre Artemisia

Fundada em 2004, a Artemisia é uma organização sem fins lucrativos, pioneira na disseminação e no fomento de negócios de impacto social no Brasil. Sua missão é identificar e potencializar uma nova geração de empreendedores e negócios que possam contribuir para construção de um país mais justo e menos desigual.

Há mais de uma década, a organização ajuda empreendedores de impacto a superarem seus principais desafios para que ultrapassem barreiras e consigam alcançar resultados econômicos e sociais em larga escala. Desde 2011, a Artemisia já acelerou mais de 100 negócios de impacto social em diversos setores como educação, saúde, habitação e serviços financeiros provenientes de diversas partes do Brasil. Os negócios de seu portfólio já beneficiaram mais de 27 milhões de usuários. Além disso, mais de R$ 71 milhões de reais foram investidos nas empresas, sendo que mais de 80% do portfólio são de empresas ativas.

Sobre a FGVCenn

O Centro de Empreendedorismo e Novos Negócios (FGVCenn) foi criado em junho de 2004, com a missão de ser um gerador de conhecimento em empreendedorismo no Brasil, construindo uma cultura empreendedora na Fundação Getúlio Vargas e contribuindo para impulsionar o ecossistema de empreendedorismo no Brasil. Para isso, o Centro reúne pesquisadores de formações diversas para estudar e propagar conhecimento sobre empreendedorismo de forma multidisciplinar, independente e de acesso público.

O GVcenn é reconhecido como um centro de excelência sobre empreendedorismo e realiza uma série de eventos, workshops, competições de planos de negócios, concursos, congressos e pesquisas, a maioria deles oferecida gratuitamente a um público interno e externo à FGV.

Inscrição

As inscrições estarão aberta de 01 de novembro até 15 de janeiro de 2018 e deverão ser feitas exclusivamente pela internet Aqui . Ao final da inscrição, 5 negócios são selecionados para participar do ciclo de 4 meses do programa de aceleração NIP.

Quem poderá se inscrever?

QUEM PODE PARTICIPAR:  (i) Empresas com produto/ serviço desenvolvido,  começando a ganhar mercado; (ii) Em estágio de início das primeiras vendas; (iii) Negócio com modelo consolidado, e com ganhos na estrutura operacional, mas com desafios de impacto social e (iv) Empreendedoras(es) que desenvolvam algum serviço ou produto que gerem impacto social e ambiental positivo alinhado com sustentabilidade financeira e que sejam residentes dos Distritos: M’Boi Mirim, Capela do Socorro, Capão Redondo e Campo Limpo.

Não poderão ser inscrever:

Partidos Políticos, organizações e empreendedores que não não residente dos Distritos M’Boi Mirim, Capela do Socorro, Capão Redondo e Campo Limpo.

Critérios de seleção:

  • Potencial de Impacto Social – negócios com soluções relevantes para resolver problemas sociais e ambientais da região;
  • Empreendedores – 100% comprometidos com o negócio e que demonstrem capacidade de realização;
  • Local de Residência do Empreendedor: Distritos Capela do Socorro, M’Boi Mirim, Campo Limpo e Capão Redondo
  • Modelo de Negócio – com potencial de ser sustentável;
  • Estágio de Maturidade – preferencialmente com produtos já lançados comercialmente.

Processo de Aceleração

Aceleração de Negócios de Impacto na Periferia acontecerá da seguinte forma:

Encontros presenciais quinzenais com a duração de até 4 horas no espaço da A Banca ou de algum parceiro no Jardim Ângela.

Acompanhamento presencial no espaço do empreendedor uma vez por mês

Reuniões pela internet duas vezes por mês.

Workshops em conjunto com empreendedores acelerados pela Artemisia para promover a interação entre realidades distintas e aprendizado mútuo.

Mentoria virtual ou presencial uma vez por mês.

Fechamento com Pitch final na FGV e/ou no Fórum NIP para convidados externos.

Ao final do ciclo de aceleração, os empreendedores que tiverem participado ativamente de todo o processo e que tiverem desenvolvido um bom plano receberão R$ 20.000 para investir no negócio. 

Temas abordados nos encontros e acompanhamento 

Durante o processo de aceleração

1) Mitos sobre a dicotomia entre Impacto Social & Negócios

2) Impacto social, indicadores e avaliação

3) Gestão Financeira,

4) Marketing Digital,

5) Questões jurídicas

6) Inovação

7) Estruturação e refinamento do negócio

8) Conteúdos adaptativos de acordo com a demanda de cada negócio selecionado

Após o processo de aceleração

1) Monitoramento para acompanhar o desenvolvimento do negócio

2) Mentorias durante 6 meses, com  possibilidade de cada empreendedor possuir um mentor de acolhimento

3) Encontros entre os empreendedores NIP com empreendedores da Artemisia e alunos/professores da FGVCenn.